quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Evento do Mês de Dezembro - PALESTRA





Amigos,

No encerramento das nossas atividades deste ano, nós do Projeto Acolher convidamos vocês para a palestra, cujo tema consideramos muito importante para aqueles que estão se preparando para a paternidade/maternidade, para aqueles que já constituíram suas famílias e a todos que se interessam pelo assunto.

Salientamos que nossas vagas são limitadas, e portanto, é necessário efetuar as suas inscrições, enviando-nos o nome dos participantes e um telefone de contato, para o email projetoacolher@gmail.com.


Excepcionalmente para este encontro, nos reuniremos em outro endereço, confira abaixo!!!


Importante:     Após enviar seus dados aguardem a confirmação da inscrição.
                             


TEMA:      “Educação de Filhos e Limites"

PALESTRANTECélia Regina Perrella Scarabel

Psicóloga e Psicoterapeuta de Famílias, Casais e Individuos CRP - 10075/06
Especialização em Psicoterapia Analítica - Instituto Sedes Sapientae
Formação em Terapia Familiar Sistemica - Instituto Familiae
Co-coordenadora do Grupo de Família com Adolescentes - Atendimento psicoterapêutico a famílias em grupo ou individualmente que apresentem questões com adolescentes.



Data:                        07/12/13
Horário:                   16:00 às 19:00h 
Taxa de inscrição:   R$ 10,00/pessoa
Endereço:                OAB-SP - Subseção Santo Amaro
                                R.Alexandre Dumas, 224
                                Santo Amaro



Se possível, levar 1 prato de doce/salgado e 1 refrigerante/suco.


Apoio:






sexta-feira, 8 de novembro de 2013

É EQUIPARADO O BENEFÍCIO SALÁRIO-MATERNIDADE PARA HOMENS E MULHERES ADOTANTES


Fonte: MPS - 25/10/2013 - Adaptado pelo Guia Trabalhista

Foi sancionada a Lei 12.873/2013  que garante salário-maternidade de 120 dias para o segurado ou segurada da Previdência Social que adotar um filho, independente da idade da criança. 
A nova regra também equipara homem e mulher no direito ao benefício em caso de adoção. Por exemplo, se em um casal adotante, a mulher não é segurada da Previdência Social, mas o marido é, ele pode requerer o benefício e ter o direito ao salário-maternidade reconhecido pela Previdência Social, sendo afastado do trabalho durante a licença para cuidar da criança. A mesma regra vale para casais adotantes do mesmo sexo.

A Lei também estende para o cônjuge ou companheiro o pagamento do salário-maternidade no caso de falecimento da segurada ou segurado. Até então, com a morte do segurado o pagamento do salário-maternidade era cessado e não podia ser transferido. Com a transferência, o pagamento do benefício ocorrerá durante todo o período ou pelo tempo restante ao qual teria direito o segurado que morreu.

No entanto, para que o cônjuge tenha direito a receber o benefício ele deverá ser segurado da Previdência Social. O salário-maternidade percebido será calculado novamente de acordo com a remuneração integral – no caso de segurado e trabalhador avulso – ou com o último salário de contribuição, para o empregado doméstico.

Para garantir o direito de receber o salário-maternidade após o falecimento do segurado (a) que fazia jus ao benefício, o cônjuge ou companheiro deverá requerer o benefício até o último dia do prazo previsto para o término do salário-maternidade originário.